sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Por aí




Quem me dera o tempo parar de correr
Pelo menos uma vez
Se é que é possível viver
Um dia mais de uma vez

Quem me dera ser tão inteligente quanto ele
Tão linda quanto ela
E tão displicente como
Você

Não me importa se amanhã eu vou estar
Aqui
Do mesmo jeito que ontem estive
E amanhã estarei
Por aí

Versos aleatórios são meu prazer
Cada um devia procurar ter
Pra não se sentirem sozinhos
Quando estiverem só você
E o vinho

A sós
Ah, tenha dó
Quem diz ser mais feliz
Por saber quanto vale o X
De uma questão infeliz