segunda-feira, 11 de julho de 2011

I wish they were




As time run

And the wind pass
Through your smile
I try to figure it out

As my romance fail
You'd be satisfied?
When I fall down from the window
Why would you cry?

And my arms are not wings
I wish they were
So as I could fly
So as I could fight
Against gravity
And destiny

The sky is right there
Maybe I can reach it
Someday and somehow
I know I will
Besides my arms are not wings
I wish they were.

O efêmero


Pra que todos os problemas e dores de cabeça passem, não basta uma solução muito breve ou fácil de se encontrar, não basta só fechar os olhos e esperar alguns segundos pra tudo passar, não basta ouvir uma música do bob marley e com certeza é difícil dizer se exercícios físicos e um pouco de yoga faria tudo ser mais fácil pra nossa cabeça.
Afinal, o que importa de verdade pra quem está vivendo? Um bom estudo, para um bom emprego, ter bons amigos e um parceiro/parceira durante boa parte da sua vida... Vontades compactas, universais e sem graças. Como se o mundo todo não quisesse essas coisas essênciais pra se viver e ainda muito mais.
Como se fizesse diferença pra vc ou pra mim que seu melhor amigo tenha mais dessas coisas e vc não. Que vc veja seu futuro como tendo no mínimo aquilo que vc sentira como o básico, e viver uma vida longa teria muito mais pra se aproveitar e degustar por tantos anos cativos e tomados como uma jornada em busca de alguma coisa que no fundo não faz sentido, mas que a maioria chama de felicidade. De fato muito interessante não ter interesse ou simplesmente ignorar tanta bobagem que não devia ter poder de tormento sobre ninguém, mas que nos faz sentir cada vez menores quando não alcançamos ou quando perdemos o foco de um objetivo em nossa jornada. Passado o mal tempo o que mais teria pra nos fazer chorar e querer morrer mergulhados num mar da indiferença? Não que eu tenha algo em mente, mas a falta de percepção sobre o que nos afeta talvez seja uma boa opção... Ou a falta de vontade pra ser aquilo que nos propomos a ser, ou menos tentar entender o que diabos nós somos, se é que existe um diabo e um deus, como se esse detalhe fizesse diferença pro seu chefe ou professor. Pra mim religião é mais um método pra se matar o tempo, e nada mais que isso. Não temos mais o que fazer com nós mesmos e acabamos preferindo entrega-lo a alguém que talvez tenha, alguém que não vemos mas que supostamente existe pra auto-motivar nossa existência, que meigo.
Quem dera sua estima pensar da mesma forma e fazer por ela mesma uma crença que não torne a vida uma penitência. Quem dera todo o dia termos o brilho eterno de uma mente de poucas lembranças nos dizendo: Levante dessa cama, há um dia lindo lá fora! É, como seria belo se a natureza falasse, e mesmo não falando nós tentamos falar com ela, pois falar com outro ser humano tornou-se um mártir para as mães de todo o mundo. Não fale com estranhos, elas dizem. Depois dos 15 anos falar com estranhos é quase uma necessidade e quando o fazemos deixamos de ser crianças e tentamos entender como é esse mundo la fora que vai nos devorar num segundo caso não tomemos jeito na vida. ''Toma jeito nessa vida menino! Vai estudar! Vai trabalhar! Só fica sentado depois que chega da faculdade! Mais de 18 anos na cara e nunca trabalhou, ta reclamando da vida por que?!''
No final elas, mães, estão sempre certas.
Pois é... Tanta lamentação pra depois descobrir pela fisica quantica que o mundo é uma ilusão que existem dimensões paralelas não perceptíveis ao olho humano, fala sério. Deprimido ou não, esse é o tempo de admitir: Não vale a pena viver tanto tempo, se valesse teríamos que estar morrendo pra entender que o mais belos dos momentos são os que duram menos. Será mesmo isso verdade quando os que viverem mais contarem as histórias dos que morreram menos? Até porque o que se vive hoje é algo parecido com o quese viveu ontem e provavel que o seja também com o que ainda virá pela frente fora os avançoes tecnológicos. Não estou dizendo pra morrer jovem, mas não se preocupar muito em viver muito, mas aquele ditado de se viver bem com o que se tem e no tempo que quiser.