domingo, 29 de maio de 2011

Continue rindo

Ta rindo do que?
Ou de quem
Qual a graça em não saber
O que você quer ser

Se alguém soubesse
Não diriam seus nomes
Não diriam suas manias
Se alguém me dissesse
Quem é você
Quem você é

Diz logo o que você quer
Ou quem ta procurando
Alguém que saiba dizer
Se você não está forçando
Esse sorriso retorcido

Ou só ainda descobrindo
Se isso faz algum sentido
Continuar rindo
Da vida ou do buquê
Que a noiva arremessou
E você não pegou

domingo, 22 de maio de 2011

Em cima do muro


Correr pra sobreviver
Na pressa impagável do cotidiano
Estamos todos presos com falas mundanas
E frases feitas pra conquistar fulano e ciclana

Gostar pra não dizer que ama
Com a paciência da tristeza
Rondando um muro de incerteza
No qual estamos em cima
Torcendo para equilibrar uma chama

Mas pendendo pra um dos lados
Talvez este o de hipocrisia
Com certeza ainda jogando dados
La de cima com frias calúnias

Por um copo menos saudável
Da água do mar ainda mais pura
Que por escadas sai em nossas casas
Cheias de más palavras pra sair à noite nas ruas
Difícil viver nesse mundo pra conseguir ser amável

Ainda em cima do muro observando
Um gnóstico que não quer sair de trás
Mas debaixo de um armário
Com segredos incontáveis sobrando.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Maldita realidade


Desabafar pra si mesmo devia ser o remédio mais famoso adquirido por todos aqueles que perdem a veregonha e jogam seus pensamentos abertamente na internet. Quem dera fosse assim tão simples esquecer uma época depressiva e sentir-se avido de novo, a ponto de não mais parar de correr e lutar pelas coisas que quer. Uma pena serem só palavras, meras linhas aliviando memórias e as dividindo com qualquer um que se interessar... Grande coisa. Pois grande mesmo seria com um objeto real para se falar, e não só ficar lamentando pela última gota d'água derramada pela paciência esgotada e cansada, de suor e dores no corpo por nunca exercitar a mente. Algum intelectual seria capaz de descrever algum método pra se conseguir de volta a felicidade? Aquela que com certeza todos já sentiram mesmo que por um dia de demasiado oxigênio, sem nenhum estímulo que não o amor próprio ou pelo amado(a). A boa vontade pra viver seja na discrepância ou no sufoco que encontrarmos no dia-a-dia pode não ser desenvolvida num cálculo ou numa fórmula, mas quem sabe, ela não possa ser disfarçada?
Exorcizar as energias e os pensamentos ruins pela arte, seja ela qual for, é um meio conveniente da maioria que se dispôs a aprender algo a mais. Algo a mais do que ficar em jogos on line ou sentindo-se O/A tal às custas da atenção dos outros, um nível de pureza que a harmonia da nossa esfera privada não seja passivel de influências. Não importa que se faça isso por uma ceita, culto, religião ou seguindo alguma estético primordial, se como já dito no popular o único que pode nos julgar é o carinha la de cima que se tirarmos o DS, não o nintendo mas a 1ª e última letra do nome dele, temos um EU. Temos nosso caráter, nossa indiviudalidade que não age por qualquer meio coercitivo, seja a familia, escola ou qualquer tipo de autoridade. Esse nosso Eu tem que ser livre, totalmente livre se quisermos nos sentir leves e de bem com esse mundo mesquinho. Pelo amor daquela que te pôs no mundo! Pra que devolver sempre na mesma moeda as merdas que ouvimos? Por que nunca nos contentamos com os míseros desaforos que recebemos pois se os devolvermos tudo o que estaríamos fazendo é propagando a merda que nem queríamos ouvir?
Será que é pela nossa paciência, que acaba assim quando a do outro começa? Afinal, paciência não é um direito, mas uma virtude! E uma das maiores do Homem, a maior que uma minoria desprezível tem. Enquanto a maioria esmagadora se deixa levar pelo estresse e uma indiferença babaca de se tratar os outros.
Por essas e outras eu peço por favor consciência, não seja mais desobediente. Posso não ser seu pai ou mãe mas sou seu hospedeiro, e se não fosse por mim você não teria alma, não teria lugar nesse mundo. Por essas e outras eu tento dia-a-dia não ser sempre tão racional e hiper-consciente das coisas que faço. Por essas e muitas outras devíamos parar, pensar e depois se tivermos certeza mesmo, xingar o vizinho barulhento ou o gordinho da nossa sala. Se temos tantos problemas pessoais e sociais a nossa volta, é por uma questão de exteriorização. Aquilo que nós temos de ruim em nossas mentes e jogamos pro alto com um belo foda-se pra sociedade. Vamos eleger os palhaços porque afinal o mundo acaba no no que vem, pelo amor do DS, digo, de Deus, nossos Eus tem que ser senão mais conscientes, pelo menos tranquilos e sem tanta arrogância a ponto de querer atropelar alguém por uma traição, por um insulto, ou uma indireta que faz os outros a sua volta rir não com você, mas do fato de você não ser igual a eles. Como é triste a realidade né, mas enfim, não é como se ela não pudesse ser distorcida ao nosso favor.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

The passing free

People
Around me
Just keep on
Running and passing me by

And I can't stand it
Anymore
All of them
Don't let me even try to look for

The wheels there are rolling in my life
In the best part that now
I'm trying to live some how
Just free

'Cause I believe there is no wrong
Or right
'Cause I think it's not enough just to pray
But fight

I will never trust in someone I don't know
While all these wheels
Are passing through my sins
I'm not being the fool without soul

I'm not doing everything
They tell me to do
I will never live by the way
They want me to live.

domingo, 1 de maio de 2011

Ignorância é uma benção






Não pense que estou bancando o adolescente intelectual, mas é a minha geração que me faz vergonha de ainda ser um. O fato de eu querer envolver-me com pessoas mais vividas e inteligentes que eu parte de um pensamento de William Shakespeare. ‘‘Eu aprendi que para crescer como pessoa eu preciso me cercar de gente mais inteligente do que eu.’’ Agora eu vos pergunto, quantos adolescentes se interessam por Shakespeare?

O entretenimento adolescente é, hoje, a eterna competição que temos dentre nós, movida por orgulho e a vaidade que mata e fere os menos afortunados todos os dias. Wow, novidade ¬¬. Coisas pequenas como saber quem é o melhor em determinado esporte ou conhecedor de um assunto, evolui para o questionamento de saber quem é o melhor ser humano. Isto de fato é algo tão perturbador quanto normal, e começa adivinha em que fase? Pois é. O que o torna ainda mais irrisório, pois todo e qualquer adolescente não viveu porra nenhuma, e já acham-se os experientes e muito bem vividos, tudo porque já ficaram bêbados, transaram sem camisinha ou fumaram um baseado. Todos os adolescentes acham-se entendedores da vida, e isso começa a ficar preocupante quando eles não mudam de atitude e levam isso adiante, até depois de seus 20 anos. É essa atitude que faz todas as pessoas ferrarem suas vidas, tanto profissional quanto pessoal. A cerca de todos esses questionamentos eu vou comentar, analisar, e interroga-lo, para saber o quanto você, adulto, sabe mais do que um garoto de 18 anos. E o quanto você, adolescente, ainda tem muito a aprender. Uma filosofia de vida pode soar muito mesquinha, que parte de alguém que não sabe virar-se sozinha. Mas aí está o aprendizado, pois o maior medo de todos nos seres humanos é a solidão. Aquela pessoa que tem mais amigos, mais pessoas com quem contar, vai ser sempre mais bem humorada e ouso dizer, mais feliz do que aquela mais inteligente embora arrogante por considerar-se melhor do que os outros, e acaba por ficar com aquela famosa cara de poucos amigos.

Essa expressão é um dos exemplo mais forte do efeito da falta de amigos em uma pessoa. Alguém com feições que mostre ter poucos amigos, o típico mal humorado, chato, irritante e outras características que ninguém gosta de ver em um amigo. São essas mesmas atitudes e comportamentos que revelam o seu estado emocional, fatores como os sonhos, humor, paciência e principalmente expressões faciais. Analisando essas idéias, você pode e tem que se conhecer melhor do que ninguém e isto convém a todas as idades. Por isso vos digo que a falta dessas idéias é outro fator para o jovem perder-se mais facilmente. Muitos vão dizer que é da idade, normal nessa fase da vida. Até concordo com isso, mas também é verdade que em qualquer fase da vida nós temos sempre que procurar evoluir, principalmente naquela onde tudo o que temos a fazer é aprender, pois é na adolescência que começamos a viver, de fato! Afinal crianças ainda tentam descobrir o verdadeiro prazer que é amar.
Pois bem, quem dera ser tão fácil lidar assim com a própria inconsciência, porque caso fosse, não teríamos tantos problemas sociais e comportamentais afetando tanto jovens quanto adultos, sejam eles ingênuos ou alienados.