domingo, 24 de abril de 2011

Cartola na mão


Boca mente mas olhos não
Meia volta e revolver no chão
Dê uma rosa a quem amas
Armas e rosas agora usam uma cartola estranha

Esconda o sangue debaixo do tapete
Antes do sol nascer
Antes que ela possa ver
E então ande, com calma

Para frente, não dê meia volta, não pense
Só ande e não pense em dar meia volta
Com uma arma na mão
E outra entre as pernas
Você está nervoso

Meia volta, volver!
Eu não sigo regras dentro de mim sargento.
Obrigado capitão
Mas já tenho meu sustento
Não quero servir-lhe

Não mais nos obriguem a fazer pela força
Mulheres não gostam de macho man ou YMCA
Quer que eu soletre tenente?

domingo, 17 de abril de 2011

Metáfora sem graça

Uma meta fora a física eles chamam de metafísica
Uma física fora a meta eles chamam de teoria
Uma outra coisa eles chamam de dialética
E um bando de gente acha essa coisa patética

Fora um dia a metáfora um prazer
Dizem hoje que é tentar amar
Por falar-se tanto e tão pouco fazer
Por pensar-se tanto e tão pouco falar

Pense a física como um teorema
Sua meta sendo um paradoxo
Sem gravidade antes que valha e cai a pena

De nossos monstros pensantes
Foras da lei sem sentido
Por fora de uma meta constante.

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Ella




Adivinhar o amanhã?
Sem lembrar como
A noite passada
Fora toda uma farsa

Será mesmo?
Saber aonde procurar
Um pecado
E adivinhar a utopia

Coisa do diabo?
Que Lúcifer me condene
A 1000 anos no inferno

Essa Terra ta chata
E vai continuar
Até eu acha-la.

domingo, 10 de abril de 2011

O meu Nirvana




No alheamento da obscura forma humana,
De que, pensando, me desencarcero,
Fui que eu, num grito de emoção, sincero,
Encontrei, afinal, o meu Nirvana.

Nessa manumissão schopenhaueriana,
Onde a Vida do humano aspecto fero
Se desarraiga, eu, feito força, impero
Na imanência da idéia Soberana.

Destruída a sensação que oriunda fora
Do tato – íntimo antena aferidora
Destas tegumentárias mãos plebéias-

Gozo o prazer, que os anos não carcomem,
De haver trocado a minha forma de homem
Pela imortalidade das idéias!



-Augusto dos Anjos-

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Bizarrices à parte


Cuidado rapaz, as pessoas podem, gostam e provavelmente vão lhe interpretar errado pela simples vontade de ver-te pra baixo. A boa aventurança é um bem difícil de se alcançar, mas depois que se alcança, não se preocupe com aqueles que não vão querer sorrir com você. Pra que se preocupar com pessoas tediosas que lhe falam mal pelas costas? Pra que se lixar com as inconveniências do dia-a-dia de nossas miseráveis vidas? Por que não sorrir o tempo todo? Por que não estar sempre de bom humor independente do humor ou das más intenções alheias? O bom da vida não é responder, mas perguntar dentre seus milhares de sentidos o que há de bom pra se aproveitar. Seja um bom filme, livro, noite ou jogo. Vagar sozinho por ruas desertas e perigosas com seus amigos sem pensar no mendigo com uma faca na mão prestes a agarrar vocês. Não dar bola pra morte é uma boa maneira de se viver. Estudar, fazer muitos bons amigos e conseguir um emprego razoável que lhe dê algum sustento.
Cuidado rapaz, entrar numa roubada é muito mais fácil que sair. Depois que a escola acaba e a incógnita é tudo o que lhe resta... Não se desespere. A universidade pode parecer a maravilha quando se entra, mas pra sair dela vai ser algo mais complicado, ainda mais quando alguém se depara com a desilusão de que escolheu o curso errado e no penúltimo período resolve mudar. Mudar boa parte senão tudo o que ele havia construído pra ele até então. Deve ser chato, deve ser horrível, deve ser nesse momento que alguém toma a decisão de se jogar do 12º andar da UERJ, francamente.
Cuidado rapaz, existirão mentes perigosas tentando entrar em conflito com a sua pelo mero prazer de satisfazer seus egos medíocres. Seus traumas de infância ainda não bem superados, suas memórias de anos atrás desaparecendo e você, ainda jovem, sofrendo com o maldito sentido e as caralhadas de palavras que porão na sua boca, que porão na sua vida ainda indefinida. Ninguém quer saber o que tens a dizer. Mas se tens algo a dizer, que o faça para aqueles que querem lhe ouvir.
Cuidado rapaz, a apatia para com o mundo pode ser a maior diversão de todos os tempos ou pode ser o meio que não intencionalmente acharás pra fazer seus amigos, amantes e até familiares sofrer. Não mate a si mesmo com o ódio que o diabo ofertou-lhe, pois é essa uma das consequências que a indiferença pode trazer para a, acredito eu, alma de uma pessoa. Saber rir com os outros, e não dos outros, na minha opinião já é uma virtude. Mesmo naquele momento inoportuno quando estiverem rindo de algo triste que dissestes, cuidado rapaz, você não sabe se aquela pessoa tem ódio no coração, simplesmente ria com ela.
Quem dera se meus olhos pudessem mostrar minha alma. Mas acho que não, acho que o brilho no olhar ocorre não por intervenção divina, mas por amor.
Cuidado rapaz, antes de qualquer escolha, seja ela profissional, amorosa ou social, lembre-se de um conselho que a maravilha da publicidade nos deu: Tanto faz, é você que determina, tanto faz, vai de álcool ou gasolina. Linha 1.0 flex! Esqueci essa parte, só sei que termina com tanto faz!